Algumas reflexões sobre o compromisso definitivo

por Marie Minh Châu

Antes de 2007, eu não achava que me tornaria freira. Durante todos os anos da minha formação inicial, sempre procurei: “é a minha identidade ser freira de Notre Dame? " Quando encontrei provações por minhas limitações e minhas fraquezas, me preocupei: eu poderia viver esta vocação? E às vezes uma ideia me passava pela cabeça: "Vou voltar para minha família".



Refletir e escrever sobre meu pedido de compromisso definitivo foi a oportunidade para reler minha vida e o caminho de minha vocação. Por duas semanas, tive que discernir e tomar a decisão final. Finalmente, após 8 anos nesta vocação, realmente senti que pertenço a esta congregação. Agora, embora conhecendo minhas fraquezas, meus limites, percebo um pouco mais o mistério da minha vocação: "Não fui você que me escolheu, mas fui eu que te escolhi" (Jo 15,16). Esta escolha do Senhor me dá coragem para segui-lo por toda a minha vida, com amor e entrega ao seu amor.

 

Eu experimentei o amor de Deus, o afeto fraterno, o amor da minha família, tão próxima e tão calorosa durante a celebração eucarística do meu compromisso definitivo. Quando estava ajoelhado aos pés do altar, ouvindo o nome dos nossos Santos Fundadores na ladainha dos santos, o meu coração estremeceu. Quando cantei o Suscipe, canção de compromisso, e quando assinei meu nome na folha de profissão, me senti amada. Foi o Senhor quem me deu força para professar publicamente e me tomou pela mão para assinar; a partir de agora, é Ele quem me guiará no desenvolvimento da minha vocação; ele vai me dar pessoas para me acompanhar, me amar e me apoiar neste seguimento de Cristo. No final da Eucaristia, com emoção, agradecemos do fundo do coração à nossa família, a todos aqueles que nos fizeram sentir que somos amados e que nos acolheram como somos. Um agradecimento dirigido também à Congregação, a todas as irmãs que nos ajudaram a descobrir a nossa personalidade, a reconhecer a mão de Deus na nossa vida e a viver feliz a nossa vocação; obrigado também aos nossos professores, amigos, parceiros… a presença de todos é uma dádiva; é como o traço dos pés, da mão de Deus para me conduzir e fazer sentir o seu amor e a sua providência.
Para mim, o compromisso definitivo é apenas uma partida para uma aventura com dificuldades e novas provações, obrigando-me a amadurecer para aceitar responsabilidades e novas missões; é também um convite a um compromisso ainda mais decidido e fiel à minha vocação. Mas tenho certeza de que tudo o que faço "Você agarrou minha mão direita, você me conduz de acordo com seus pontos de vista" (Sl 73:23): o Senhor me apóia e me mantém em seus braços.



Marie Minh Chau